Opinião

Pedro Ivo Carvalho

Trump trata o ódio com amor

Não parece possível retratar, em simultâneo, a omnipresença e o vazio na capa de uma revista. Mas a mais recente edição da "New York Magazine" conseguiu-o: "Uma edição inteira com nada sobre Trump" foi o título escolhido, ilustrado com um apetecível e mordiscado gelado. Uma edição inteira a ignorar Trump usando Trump como isco. É retorcido, mas traduz de forma exemplar o quão avassaladora se tornou a presença no espaço público e mediático do milionário convertido em estadista. Podemos não querer ouvir falar dele, mas ele impõe-se, nem que seja pelo ridículo. É, aliás, desta equação que se alimenta o seu projeto de poder. Visibilidade a todo o custo.

Miguel Poiares Maduro

A nova presidência da CE - O pecado original tem perdão

O problema democrático da União Europeia não é a falta de mecanismos de representação dos cidadãos. Estes são representados, por via indireta, através dos seus governos nacionais e, por via direta, elegendo os deputados para o Parlamento Europeu. A isto acrescem formas de participação no processo legislativo muito mais amplas do que a nível nacional e o controlo feito pelos parlamentos nacionais através do controlo de subsidiariedade. O problema democrático europeu é outro: é a ausência de um espaço político europeu. Para os cidadãos, as clivagens políticas europeias são nacionais. Não existem verdadeiros partidos políticos europeus. Nem são claros os projetos políticos europeus alternativos. Na ausência destas alternativas o debate ou é nacional ou, apenas, contra ou a favor da Europa.

Vítor Santos

#apelo

Sempre olhei para os colecionadores - aquela malta dos cromos, dos selos, dos autocolantes -, como quem está a ver deuses, porque nunca tive tenacidade e paciência para ir até ao fim do Mundo atrás de uma carinha do Zidane que permite fechar a caderneta. No máximo, consegui chegar ao Cabo do Mundo, que fica em Perafita, no meu concelho. A minha devoção aos colecionadores é tão inquebrantável que andei décadas à espera de encontrar a coisa certa para colecionar. E ontem descobri, finalmente, a coleção ideal. Aproveito para convidar amigos, colegas, conhecidos e desconhecidos, a entregarem-me todas as garrafas de plástico que puderem. No fundo, soube agora, sempre tive espírito de colecionador, só faltava mesmo um incentivo. No caso, os cêntimos oferecidos pelo Estado a quem devolver garrafas de plástico.

A sua Opinião

Vai a algum festival de verão este ano?

ANYmal, o robô todo terreno de quatro patas

O ANYmal tem o aspeto de um cão robótico inofensivo. A forma como anda é engraçada e os seus gestos (se é que se pode aplicar esse termo a uma máquina com as suas características, já que não tenta imitar os comportamentos humanos) não são intimidantes.Apesar disso, há quem o tenha considerado assustador e houve até uma página sobre tecnologia que o incluiu entre os robôs mais "aterrorizadores". A culpa não foi dos criadores, a empresa suíça ANYbotics, centrada numa robótica útil, mas sim de um episódio da serie Black Mirror (concretamente, o quinto episódio da quarta temporada, cujo título é "Cabeça de Metal") em que um grupo de engenhos robóticos semelhantes a cães dominam a espécie humana pela força e a deixam à beira da extinção. O lema da ANYbotic, por sua vez, é: "Permitimos que os robôs cheguem a qualquer lugar". Talvez seja uma forma de manifestarem confiança numa tecnologia que não para de crescer e que deveria servir apenas para nos facilitar a vida. E é precisamente isso que se pretende com o ANYmal, um quadrúpede com capacidades impressionantes."Um robô comum tem rodas, o que é bastante bom" - assegura Peter Fankhauser, um dos cofundadores da empresa. "Tem inúmeras funções e bateria suficiente para operar durante horas. Porém, não pode ser usado à chuva nem em lugares com escadas. Por outro lado, os drones funcionam muito bem, trabalham de vários ângulos e proporcionam imagens incríveis. Contudo, a autonomia e a capacidade de carga são limitadas. O nosso robô é uma combinação de ambos. Desloca-se em qualquer tipo de terreno e, ao mesmo tempo, é capaz de transportar cargas significativas e a sua bateria tem bastante autonomia. Dura três horas e, como é autónomo, é capaz de regressar sozinho e recarregar-se numa estação.A versatilidade do ANYmal faz dele o robô perfeito para uma grande variedade de tarefas industriais, em interior ou exterior, para trabalhos de distribuição, de resgate, trabalhos agrícolas, florestais ou até para entretenimento. As quatro patas permitem-lhe caminhar, correr, saltar, escalar ou... dançar. Embora a mobilidade seja, obviamente, um dos pontos fortes do robô, é o restante equipamento que lhe permite ser uma ferramenta tão poderosa. Graças aos seus vários sensores, câmaras e aplicações, o ANYmal é capaz de traçar mapas, detetar mudanças de temperatura ou variações sonoras, o que lhe permite aplicar diferentes soluções no espaço em que se encontra a trabalhar.Embora, nesta fase, o ANYmal ainda seja uma versão beta, os seus criadores esperam comercializá-lo em breve. Para isso, estão concentrados em melhorar a sua robustez e algumas das suas competências.Além disso, a ideia é que funcione com API aberta, que permita aos clientes programá-lo para que possam adaptar-se a distintos tipos de tarefas. Porém... que não se gere o pânico, porque ninguém tenciona criar um exército de assassinos dispostos a espalhar o caos pelo mundo.Entrevista e edição: Maruxa Ruiz del Árbol, Noelia Núñez, David GiraldoTexto: José L. Álvarez Cedena

A Inteligência Artificial irá criar 58 milhões de postos de trabalho

Entre a desconfiança, a piada fácil e o medo absoluto, a extensão da inteligência artificial a todas as vertentes da nossa vida não deixa ninguém indiferente. Antes de morrer, o físico britânico Stephen Hawking afirmou que “o desenvolvimento de uma inteligência artificial completa pode significar o fim da espécie humana”. Outras figuras de relevo da área da tecnologia, como Elon Musk ou o cofundador da Apple, Steve Wozniak, comungam dessa preocupação. E, se as opiniões dos que estão destinados a abrir caminho neste terreno são tão pouco tranquilizadoras, ninguém pode censurar aqueles que, de posições mais desfavorecidas, olham com receio para umas máquinas que, a curto prazo, podem vir a pôr em causa o seu posto de trabalho. Também não ajudaram os filmes em que os robôs se lançavam à conquista do mundo, aniquilando ou escravizando a humanidade. A propósito deste ódio — menos irracional — o professor da universidade de Loyola, em Chicago, Steve Jones, afirmava num artigo para a revista Forbes que a população tem “a sensação de que há uma força não humana, chamada tecnologia, que é uma ameaça”. Jones assegurava existir o risco real de aparecer um movimento neoludita que, à imagem e semelhança dos Britânicos do século XVIII, encete uma luta contra as máquinas por porem em perigo o seu emprego. Um movimento que — realça Jones — não acredita que a política e a economia sejam as vias para lidar com o inevitável avanço das novas tecnologias.Nuria Oliver, prémio nacional de Informática 2016 e diretora de pesquisa de ciência de dados na Vodafone, crê que a inteligência artificial "terá um enorme impacto positivo na sociedade". E dá como exemplo o campo da saúde, onde as possibilidades que as novas tecnologias oferecem em áreas como a sequenciação do genoma humano ou a análise radiológica comparativa eram impensáveis há poucos anos. A inteligência artificial e os robôs serão, garantidamente, protagonistas daquilo a que já se chama quarta revolução industrial. Não obstante, Oliver está consciente do receio que esta difusão rápida das máquinas em tão pouco tempo desperta, particularmente no que diz respeito ao emprego: "todos os estudos antecipam uma transformação radical que vai implicar a extinção de milhões de postos de trabalho; no entanto, serão criados muitos mais. Segundo o Foro Económico Mundial, criar-se-ão 58 milhões de postos de trabalho”. Este otimismo que abre um leque de possibilidades deve ser acompanhado de uma adequada política educativa, visto que ser utilizador de tecnologia não é o mesmo que entender como funciona, e atualmente as crianças não são preparadas para virem a ocupar esses novos postos de trabalho que serão exigidos nos próximos anos. Oliver vê na evolução das máquinas uma grande oportunidade que não devemos deixar passar: "É muito importante que vejamos a inteligência artificial como uma oportunidade para melhorar a sociedade, para sobrevivermos enquanto espécie. No entanto, temos de nos preparar e de nos formar, para que isso posso ser uma realidade”. Entrevista e edição:  Azahara Mígel, Maruxa Ruiz del Árbol, David Giraldo Texto: José L. Álvarez Cedena


Top Selling NFL Jerseys Cheap NHL Jerseys B's News 0k's - We Share News Bu9'er We Share News Off the World Cheap Wholesale NFL Jerseys USA Buy Coolest Soccer Jerseys Web Sitemap KG'in9 Share News Wholesale Replica Cheap MLB Jerseys Wholesale NHL Jerseys Wholesale NFL Jerseys Pitty's News Wholesale NCAA jerseys Wholesale Mlb Jerseys Cheap NBA Jerseys Wholesale Cheap MLB Jerseys From China Wholesale jerseys AIR's duck All Sports Share News Wholesale NBA jerseys
Wholesale jerseys |